PRAZO DA CETESB PRORROGADO

“Artigo 7º – As declarações de emissão deverão ser encaminhadas com frequência anual, entre o período de 1º de setembro até 31 de outubro, compreendendo o período de janeiro a dezembro do ano anterior, a partir dos dados consolidados em dezembro de 2014.”

Acesse a decisão na íntegra

Decisão 254/2012 (Estado de São Paulo)

A CETESB publicou Decisão n°254/2012 que estabelece a obrigatoriedade de realizar inventário de emissões em alguns setores.
A Green Domus elabora inventários corporativos de emissões com base nas normas internacionais ABNT NBR ISO 14.064:2007 e GHG Protocol – Programa Brasileiro, além de promover também a verificação independente de inventários de emissões.

A Green Domus tem profissionais qualificados e contratados em regime CLT, tendo acumulado vasta experiência nos setores de indústria: Química, Alimentos, Construção Civil, Cimentos, Hospitalar, Papel e Celulose, Vidros, Serviços, Hotelaria e Turismo, Transportes, entre outros.

Pela norma, ficam obrigados a inventariar emissões os setores:

I. Produção de alumínio;

II. Produção de cimento;

III. Coqueria;

IV. Instalações de sinterização de minerais metálicos;

V. Instalações de produção de ferro gusa ou aço com capacidade superior a 22.000 t/ano;

VI. Fundições de metais ferrosos com capacidade de produção superior a 7.500t/ano;

VII. Instalações de produção de vidro, incluindo as destinadas à produção de fibras de vidro, com capacidade de produção superior a 7.500 t/ano;

VIII. Indústria petroquímica;

IX. Refinarias de petróleo;

X. Produção de amônia;

XI. Produção de ácido adípico;

XII. Produção de negro de fumo;

XIII. Produção de etileno;

XIV. Produção de carbeto de silício;

XV. Produção de carbeto de cálcio;

XVI. Produção de soda cáustica;

XVII. Produção de metanol;

XVIII. Produção de dicloroetano (EDC);

XIX. Produção de cloreto de vinila (VCM);

XX. Produção de óxido de etileno;

XXI. Produção de acrilonitrila;

XXII. Produção de ácido fosfórico;

XXIII. Produção de ácido nítrico;

XXIV. Termelétricas movidas a combustíveis fósseis;

XXV. Indústria de papel e celulose com utilização de fornos de cal;

XXVI. Produção de cal;

XXVII. Outras instalações com consumo de combustível fóssil que emitam quantidade superior a 20.000 t/ano de CO2 equivalente;

XXVIII. Instalações que emitam os gases HFCs, PFCs, SF6 em quantidade superior a 20.000 t/ano de CO2 equivalente;

XXIX. Outras que a CETESB julgar relevantes.